Não sei nem quando, nem como começou…

Mas acho que a minha vida esteve sempre ligada ao verbo alimentar.

Desde que consigo lembrar, estou tentando fazer algo para alguém que precisa mais do que eu, coordenando pessoas para alguma tarefa ou cozinhando.

Acho que isto tudo sempre foi maior do que eu.

Com pouco mais de 8 anos, levado pelos meus pais e pelo meu irmão mais velho para a Igreja de Nossa Senhora Aparecida em Moema, lembro do prazer que era participar dos eventos beneficentes.

Sempre com os olhos e os pés na cozinha, coisas que faço até hoje. Entendi que, se o mundo não está como eu gostaria, então é hora de eu me mexer e fazer alguma coisa. Se isto puder ser feito alimentando as pessoas, a minha realização será ainda maior.

Grupo Escolar Cezar Martinez, era o nome de onde cursávamos os primeiros anos do hoje Ensino Fundamental.

Lembro, com carinho, da D. Floripes, professora do 2º ano, pedindo que eu cuidasse da pasta da classe. Depois disto a palavra coordenador não saiu mais da minha vida. Sempre adorei acreditar numa causa e tentar levar as pessoas comigo.

Além do grupo da Igreja, meus pais eram do Rotary Club. Saíam com frequência para jantares, festivas e reuniões. Lembro também que ficava à espreita, esperando pela saída deles para assumir a cozinha (para desespero da minha mãe, quando ela voltava).

Adorava aquela alquimia de transformar ingredientes, que isolados não significam muito, em pratos que provocavam surpresa. Mas é claro que nesta época eu já tinha… 6 anos de idade.

Quem me conhece sabe que, até hoje, umas das coisas que mais gosto é ver as pessoas comendo as coisas que saem das minhas panelas. Isto me nutre o espírito.

Fico pensando que meu propósito, aquilo que me liga mais diretamente à minha essência, é o desejo alimentar o corpo de quem tem fome de justiça, a mente de quem tem fome de consciência e a alma de quem tem fome de emoção. Ou, pelo menos, a busca por tudo isto.

Enfim, a vida tem me premiado permitindo que eu seja:

  • Pai de Família;
  • Físico e Matemático;
  • Analista de Sistemas;
  • Empreendedor;
  • Gestor de Empresas;
  • Cozinheiro;
  • Palestrante;
  • Aprendiz, Apaixonado e Curioso. 

SOBRE ESTE ESPAÇO

Minha vida está nos meus poemas, meus poemas são eu mesmo,

nunca escrevi uma vírgula que não fosse uma confissão.

Mario Quintana

Talvez seja a idade, mas o tempo foi trazendo uma vontade cada vez maior de compartilhar as minhas experiências, os acertos e os erros.

As muitas histórias com final feliz e as poucas um pouco mais tristes. Os sentimentos e os aprendizados. O destino e o caminho.

Não sei fazer poema. Mas criei este espaço para fazer minhas confissões.